Radiação solar e lesões na pele

A pele protege o resto do corpo dos raios solares (uma fonte de radiação ultravioleta [UV] que pode danificar as células). Uma sobreexposição ao sol, mesmo que seja breve, provoca queimaduras. Depois de uma prolongada exposição à luz solar, a parte mais externa da pele (epiderme) torna-se mais grossa e as células cutâneas produtoras de pigmento (melanócitos) aumentam a produção do mesmo (melanina), o qual confere à pele a sua cor. A melanina, uma substância protectora natural, absorve a energia dos raios ultravioleta e evita que estes penetrem mais profundamente nos tecidos.

A sensibilidade à luz solar varia conforme a origem, a exposição prévia e a cor da pele, mas toda a gente é vulnerável em determinado grau. Como as pessoas com pele escura têm mais melanina, são mais resistentes aos efeitos negativos do sol, tais como queimaduras, envelhecimento cutâneo prematuro e cancro da pele. Os albinos não têm melanina na sua pele; como consequência, não se bronzeiam e até se queimam gravemente com uma breve exposição ao sol. Os albinos, a não ser que se protejam do sol, desenvolvem cancros da pele ainda muito novos. As pessoas com vitíligo têm zonas da pele sem melanina e por conseguinte podem sofrer queimaduras solares graves.