Candidíase genital

A candidíase genital é uma infecção causada por uma levedura (fungo) que afecta a vagina ou o pénis; é habitualmente causada por Candida albicans.

O fungo Candida normalmente reside na pele e nos intestinos. A partir destas zonas pode propagar-se para os órgãos genitais. A Candida não é habitualmente transmitida por via sexual.

É uma causa muito frequente de vaginite. A candidíase genital tem-se tornado muito frequente, principalmente devido ao uso cada vez maior de antibióticos, contraceptivos orais e outros medicamentos que modificam as condições da vagina de um modo que favorece o crescimento do fungo. A candidíase é mais frequente entre as mulheres grávidas ou que estão menstruadas e nas diabéticas. Com muito menos frequência, o uso de fármacos (como os corticosteróides ou a quimioterapia contra o cancro) e a presença de doenças que deprimem o sistema imunitário (como a SIDA) podem facilitar a infecção.

Sintomas e diagnóstico

As mulheres com candidíase genital costumam ter prurido ou irritação na vagina e na vulva e, ocasionalmente, uma secreção vaginal. A irritação é habitualmente incómoda, mas a secreção é ligeira. A vulva pode ficar vermelha e inflamar-se. A pele pode ficar em carne viva e, em certos casos, gretar. A parede vaginal cobre-se de uma substância semelhante a um queijo branco, mas pode também ter um aspecto normal.

Os homens não apresentam habitualmente sintomatologia, mas a extremidade do pénis (a glande) e o prepúcio (nos homens não circuncisos) por vezes irrita-se e dói, especialmente depois do coito. Às vezes aparece uma pequena secreção proveniente do pénis. A sua extremidade e o prepúcio podem adoptar uma cor avermelhada, apresentar pequenas ulcerações ou vesículas com crosta e estar cobertos por uma substância semelhante a um queijo branco.

Um diagnóstico imediato é possível, colhendo amostras da vagina e do pénis e examinando-as ao microscópio. Estas também podem ser cultivadas.

Tratamento

Nas mulheres, a candidíase é tratada lavando a vagina com água e sabão, secando-a com uma toalha limpa e depois aplicando um creme antimicótico que contenha clotrimazol, miconazol, butoconazol ou tioconazol e terconazol. Alternativamente, administra-se quetoconazol, fluconazol ou itraconazol por via oral. Nos homens, o pénis (e o prepúcio nos circuncisos) deve ser lavado e seco antes de se colocar um creme antifúngico (que contenha, por exemplo, nistatina).

Em certos casos, as mulheres que ingerem contraceptivos orais devem deixar de os usar vários meses durante o tratamento da candidíase vaginal, porque podem fazer piorar a infecção. Certas mulheres que correm o risco de contrair candidíase vaginal, como as imunodeprimidas ou as que tomaram antibióticos durante muito tempo, podem necessitar de um fármaco antimicótico ou outra terapia de prevenção.