Infecções por parasitas

Um parasita é um organismo, como por exemplo um animal unicelular (protozoário) ou um verme, que sobrevive habitando dentro de outro organismo, geralmente maior (o hospedeiro).

As infecções parasitárias são frequentes nas zonas rurais da África, Ásia e América do Sul, mas são pouco frequentes nos países desenvolvidos. Contudo, aqueles que vivem em países desenvolvidos e visitam outros em vias de desenvolvimento podem ser infectados por parasitas e voltar ao seu país sem saber que transportam a doença, pelo que esta pode tornar-se difícil de diagnosticar devido a ser aí muito pouco frequente.

Os vermes costumam entrar no organismo através da boca, apesar de alguns o fazerem pela pele. Os que infectam o intestino podem permanecer ali ou então penetrar a parede intestinal e infectar outros órgãos. Os vermes que atravessam a pele costumam fazê-lo através das plantas dos pés ou então penetrar no corpo quando a pessoa nada em água infectadas.

Se o médico suspeita que um indivíduo tem uma infecção parasitária, pode colher amostras de sangue, de fezes e de urina para as analisar no laboratório. Da mesma forma, pode colher uma amostra de líquido de um órgão ou tecido que possa estar infectado. Em geral é necessário fazer várias análises para descobrir os parasitas nas referidas amostras.

Os parasitas costumam reproduzir-se no hospedeiro que infectam, pelo que por vezes deixam os seus ovos dentro deste. Se os parasitas se reproduzem no tubo digestivo, os seus ovos podem aparecer nas fezes. Para fazer o diagnóstico de uma infecção parasitária, o médico colhe habitualmente três amostras de fezes com intervalos de um a dois dias. Em certos casos as amostras de fezes obtêm-se através de um sigmoidoscópio (um tubo flexível de visualização que se utiliza para examinar a parte inferior do intestino grosso). (Ver secção 9, capítulo 100) As pessoas que tenham de se submeter a um exame de amostragem de fezes não devem tomar antibióticos, laxantes ou antiácidos, porque estes fármacos podem reduzir o número de parasitas e dificultar ainda mais a sua detecção no laboratório.

Por outro lado, para estabelecer o diagnóstico, por vezes extrai-se líquido do duodeno (a parte superior do intestino delgado) ou então recolhe-se uma amostra do conteúdo intestinal usando um cordel de nylon introduzido pela boca.