Perturbações sexuais e psicosexuais

A sexualidade é uma parte normal da experiência humana. No entanto, os tipos de comportamento sexual e as atitudes acerca da sexualidade que se consideram normais variam muito nas diferentes culturas e entre estas. Por exemplo, a masturbação, que durante muito tempo foi considerada como uma perversão e inclusive uma causa de doença mental, é agora reconhecida como uma actividade sexual normal durante a vida. Considera-se que mais de 97 % dos homens e 80 % das mulheres se masturbaram. Embora a masturbação seja normal e seja frequentemente recomendada como uma opção de «sexo seguro», pode causar culpabilidade e sofrimento psicológico, originados pela atitude de reprovação de outros. Isto pode produzir um sofrimento considerável e inclusive afectar o desenvolvimento sexual. De forma semelhante, a homossexualidade, que outrora foi considerada como anormal pela profissão médica, já não é considerada uma doença; está amplamente reconhecida como uma orientação sexual que está presente desde a infância. A prevalência da homossexualidade é desconhecida, mas estima-se que cerca de 6 % a 10 % dos adultos têm exclusivamente relações homossexuais ao longo das suas vidas. Uma percentagem muito maior de pessoas experimentou actividades sexuais com pessoas do seu sexo na adolescência, mas como adultos têm um comportamento heterossexual.

As causas da homossexualidade e da heterossexualidade são desconhecidas. Não se identificaram influências hormonais, biológicas ou psicológicas que contribuam substancialmente para a orientação sexual da pessoa. Os homossexuais descobrem que são atraídos por pessoas do mesmo sexo, ao mesmo tempo que os heterossexuais descobrem que são atraídos por pessoas do outro sexo. A atracção parece ser o resultado final das influências biológicas e ambientais e não uma escolha deliberada. Portanto, a expressão popular «preferência sexual» tem pouco sentido.

Geralmente, os homossexuais acomodam-se correctamente com a sua orientação sexual, embora devam superar os preconceitos e a reprovação social. Este ajustamento pode demorar muito tempo a conseguir-se e pode estar associado a um stress psicológico importante. Muitos homens e mulheres homossexuais sofrem uma discriminação social e nos seus locais de trabalho, o que agrava o seu stress.

Para algumas pessoas heterossexuais e homossexuais, a actividade sexual com diferentes parceiros é uma prática frequente durante a sua vida. Tal tipo de actividade pode indicar uma baixa capacidade para estabelecer relações emocionais íntimas. Esta pode ser uma razão para procurar conselho profissional, especialmente desde que a transmissão de certas doenças (por exemplo, a infecção pelo vírus da imunodeficiência humana, a sífilis, a gonorreia e o cancro cervical) está associada ao hábito de ter muitos parceiros sexuais.