Doença vascular cerebral e perturbações afins

A interrupção do afluxo de sangue ao cérebro pode ocasionar a morte das células cerebrais ou lesioná-las devido à falta de oxigénio. As células cerebrais também podem ser afectadas por uma hemorragia no cérebro ou à volta do mesmo. As alterações neurológicas resultantes denominam-se acidentes vasculares cerebrais porque afectam os vasos sanguíneos (vascular) e o encéfalo (cérebro).

A chegada insuficiente de sangue a determinadas partes do cérebro durante um período breve de tempo produz os acidentes isquémicos transitórios. Dado que se verifica um restabelecimento rápido do fluxo sanguíneo, o tecido cerebral não morre, como acontece no icto. O acidente isquémico transitório é, frequentemente, um aviso precoce de um icto.

A doença vascular cerebral é a causa mais frequente de incapacidade neurológica nos países ocidentais. Os factores que representam maior risco nas lesões vasculares do cérebro são a hipertensão e a aterosclerose (endurecimento das artérias por depósito de gordura nas suas paredes). A incidência da doença vascular cerebral diminuiu durante as últimas décadas graças à tomada de consciência das pessoas sobre a importância de controlar a tensão arterial alta e os valores elevados de colesterol.
O modo como os ictos ou os acidentes isquémicos transitórios afectam o organismo depende precisamente da área onde se interrompeu a circulação cerebral ou se produziu a hemorragia. Cada área do cérebro é irrigada por vasos sanguíneos específicos. Por exemplo, a obstrução de um vaso na área que controla os movimentos musculares da perna esquerda produz debilidade ou paralisia nessa perna. Se for afectada a área encarregada do tacto no braço direito, este perderá a sensação do tacto (sensibilidade táctil). A perda de funções é máxima imediatamente após um icto. No entanto, habitualmente recupera-se parte da função e, enquanto algumas células cerebrais morrem, outras estão somente lesionadas e podem ser recuperadas.

Há casos em que pode produzir-se um icto ou um acidente isquémico transitório apesar de uma circulação cerebral normal se o conteúdo de oxigénio no sangue for insuficiente. Isto pode acontecer quando uma pessoa é afectada por uma anemia grave, uma intoxicação por monóxido de carbono ou então sofre de uma perturbação que produz células sanguíneas anómalas ou uma coagulação anormal, como a leucemia ou a policitemia.